RPA: o que é exatamente a automatização de processos robóticos?

| 30. out 2020

"That takes care of itself!" No caso da automatização de processos robóticos, isso refere-se a uma tendência que parece definida para ajudar a moldar o futuro do trabalho: os robôs de software assumem processos de rotina simples, repetitivos e demorados. Isso dá aos colaboradores mais tempo para atividades produtivas e que geram valor.




É uma experiência partilhada por quase todas as PMEs: a crescente pressão dos custos também aumenta a necessidade de trabalhar da forma mais eficaz e eficiente possível. "Vemos que as empresas estão constantemente sob pressão para assegurar a sua vantagem competitiva. Acima de tudo, isso significa que precisam de fazer pleno uso do potencial dos seus peritos', observou Marcel Cobussen. Ele é Gestor de Desenvolvimento Empresarial para Serviços de TI na Konica Minolta Business Solutions Europe GmbH.



RPA: software e robôs trabalham autonomamente e assumem tarefas de rotina


O exemplo de uma grande empresa de logística e transporte pode ser utilizado para mostrar como e onde as empresas podem ter tarefas empresariais diárias de rotina realizadas com a ajuda da automatização robótica de processos (RPA).


O problema: a empresa foi confrontada com um número sempre crescente de encomendas, o que estava a pôr em risco os negócios do dia-a-dia. A principal razão: onde os camiões estavam atualmente localizados e se os artigos tinham sido entregues com sucesso não podiam ser seguidos.


A solução é agora a seguinte: quase 400 robôs de software completam mais de 1 milhão de passos e processos de trabalho, o que significa que 16.000 horas de trabalho foram automatizadas. Até 50% de todos os prazos são agora cumpridos num sistema completamente automatizado sem que seja necessária a intervenção humana.



A RPA só funciona com dados estruturados


Contudo, existe uma condição decisiva: a automatização do processo só funciona com dados estruturados. Não se pode tornar uma empresa que utiliza inteligência artificial se não for também uma empresa digitalizada, orientada para os dados", explica o Prof. Dr. Stefan Wrobel, Director do Instituto Fraunhofer de Análise Inteligente e Sistemas de Informação, no website do instituto.


Se se pretende que os dados desempenhem um papel tão central, é necessário que sejam estruturados e seguros de forma ótima. Isto significa que para as empresas que não trabalham de uma forma orientada para os dados, a automatização do processo atualmente (por enquanto) significa um investimento demasiado grande. Para as PME em particular, a automatização de processos robóticos pode, portanto, ser associada a custos elevados.



RPA: oportunidades de mercado global e considerações éticas


No entanto, analistas e investigadores de tendências especializados em IA e robótica estão relativamente certos de que o volume de negócios global com software e serviços RPA irá aumentar rapidamente nos próximos anos. As máquinas invisíveis já poderão trabalhar mais horas do que os humanos em 2025, segundo o estudo 'The Future of Workplaces 2025' do Fórum Económico Mundial (WEF).


A RPA é uma das tecnologias mais importantes do ano 2020 e a sua implementação na prática está realmente a ganhar ímpeto", explica Marcel Cobussen. Cada vez mais empresas estão a reconhecer os benefícios e as melhorias que a utilização de robôs industriais móveis no seu software empresarial traz".




Então, a RPA e os algoritmos acabarão por assumir e automatizar a maioria de todo o trabalho de rotina nas empresas? Ao longo do caminho, os responsáveis não devem perder de vista três aspetos éticos: 



  1. Os robôs, de qualquer tipo, quer sejam móveis (robôs industriais móveis) ou invisíveis, devem ser sempre reconhecíveis pelos seres humanos enquanto tal.
  2. As pessoas devem sempre saber exatamente o que um robô pode e não pode fazer.
  3. Os seres humanos devem ser capazes de compreender as decisões tomadas pelos algoritmos e robôs em qualquer altura